CONHEÇA NOSSA LOJA!
SES otimiza cirurgias ortopédicas

[vc_row][vc_column width=”2/3″][vc_column_text]

Há dez dias internado no Huse, o paciente Sérgio Santos de Brito, 28, sofreu um acidente motociclístico no município de Gararu e fraturou a tíbia e o maxilar. De acordo com a acompanhante, Karine Rocha Cardoso, 22, o paciente está tendo os cuidados necessários para sua recuperação. “Ele vai passar por outra cirurgia em breve. O tratamento está sendo rápido e a cirurgia foi realizada sem demora, graças ao trabalho do mutirão de ortopedia”, disse.

A rápida recuperação do paciente é uma ação do Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que trabalha para zerar a fila de pacientes que aguardam por uma cirurgia ortopédica. Desde a última semana, a SES, através da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), iniciou o sistema de mutirão de cirurgias ortopédicas no Huse. Em uma semana, foram realizadas quase 50 cirurgias ortopédicas somente no mutirão, ou seja, paralelo ao atendimento de pronto socorro.

Outro exemplo de recuperação é o do eletricista José Franklin da Cruz, 21, que sofreu uma fratura de tíbia em um acidente motociclístico, no município de Campo do Brito. Ele foi encaminhado para o centro cirúrgico do HUSE, onde participou do mutirão da ortopedia. De acordo com o paciente, o tratamento foi rápido e de qualidade. “Graças a Deus não demorei muito para ser operado, fui atendido por uma ótima equipe ortopédica. Colocaram o fixador na minha perna e ainda vou ser submetido a outra cirurgia”, explicou.

Após colidir sua moto em um carro, no município de Nossa Senhora da Glória, o motoboy João dos Santos, 45, foi encaminhado ao Huse com fratura de fêmur e tíbia e operado pelo mutirão da ortopedia. “Não tenho do que me queixar, fui muito bem atendido e continuo sendo bem tratado. O mutirão veio para ajudar muita gente que aguarda na fila por uma cirurgia e está dando certo. Espero que continuem com esse mesmo gás”, informou.

Cirurgias ortopédicas em Lagarto

Internado numa das enfermarias cirúrgicas do Hospital Regional Monsenhor João Batista de Carvalho Daltro (HRL), unidade gerenciada pela Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) em Lagarto, na região Centro Sul do Estado, o estudante José Carlos de Almeida, de 22 anos, que no último dia 20 sofreu um acidente quando sua mototicleta colidiu com outra no município de Canindé de São Francisco, no Alto Sertão sergipano, se submeteu a uma cirurgia de fratura na tíbia esquerda com colocação de platina no Centro Cirúrgico do HRL.

Desde o dia 21 de agosto, o HRL realiza cirurgias ortopédicas de baixa e média complexidade, beneficiando principalmente pacientes que aguardam na fila de espera do Huse. “Já são mais de 60 procedimentos ortopédicos realizados no Centro Cirúrgico do Hospital de Lagarto, cerca de 80% deles favorecendo pacientes encaminhados pelo Hospital de Urgência de Sergipe. Essa ação demonstra como as nossas unidades estão funcionando em rede e como os hospitais do interior podem sim atuar na retaguarda e no atendimento tanto de urgência como para procedimentos eletivos. Estamos avançando no nosso objetivo que é o fazer a rede funcionar em sua plenitude, garantindo a retaguarda no interior, com a meta de reduzir a superlotação no maior hospital público de Sergipe”, explicou o secretário estadual da Saúde, Silvio Santos.

“ Estamos preparados para realizar cirurgias de tíbia, punho, clavícula, braço, antebraço e de fratura de fêmur em diáfise. Chegamos a realizar até 8 cirurgias em um único dia”, explicou o superintendente do HRL, Oldegar Junior.

Independentemente dos mutirões, o HRL continuará realizando em média cinco cirurgias ortopédicas nas terças e outras cinco às sextas-feiras. O envolvimento nos mutirões de cirurgias ortopédicas fortalece o conceito de rede concebido a partir da Reforma Sanitária e Gerencial do SUS Sergipe implementada pelo Governo de Sergipe. “Interiorizando o conceito de rede, observamos que o problema não é somente do Huse, mas nosso também. Por isso, toda a equipe de gestão, desde a área médica, passando pela logística, internamento, coordenação administrativa e pessoal de enfermagem se envolveu para que o mutirão acontecesse com sucesso”, completou o superintendente.

[/vc_column_text][/vc_column] [vc_column width=”1/3″][vc_column_text] [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Comentários desabilitados