CONHEÇA NOSSA LOJA!
Professores e especialistas participam do curso de Libras no Cemarh

[vc_row][vc_column width=”2/3″][vc_column_text]Teve prosseguimento hoje à tarde, no Centro Municipal de Aperfeiçoamento de Recursos Humanos (Cemarh), o curso intitulado “Libras em Contexto de Educação Especial: Instrução em Língua Brasileira de Sinais”. O evento foi aberto às 8h30 pelo secretário municipal de Educação, Ruy Belém de Araújo. Também estiveram presentes na mesa de abertura a representante do secretário estadual de Educação, Iara Madureira Rabelo, assessora do Departamento de Educação da Secretaria de Estado da Educação (Seed), a diretora de Ensino da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Sandra Beiju, a presidente do Conselho Municipal de Educação, Ivanete dos Santos, a diretora do Cemarh, Sildinês Muniz Cariri, Denise da Silva Sousa, da Divisão de Educação Especial da Seed, Cristina Maria Rodrigues, diretora do Serviço de Educação Fundamental da Seed e o instrutor da Federação Nacional dos Surdos do Brasil (Feneis), Paulo André Martins de Bulhões.
De acordo com a técnica da Semed, professora Margarida Maria Teles, o curso está sendo promovido pelas secretarias estadual e municipal de Educação, com temas sugeridos pelo Ministério da Educação e Federação Nacional dos Surdos do Brasil.
Segundo ela, o curso é uma das ações do Plano Nacional de Apoio a Educação de Surdos. “Esse plano foi divido em três ações: a qualificação de dois surdos de cada Estado do Brasil em Libras (Língua Brasileira de Sinais) para que os mesmos se tornem instrutores nos seus Estados de origem; a qualificação de duas professoras, uma do município e outra do Estado para coordenar os cursos de Libras em seus Estados; e o curso de Libras, que está sendo realizado no Cemarh e faz parte da terceira etapa do plano”.
Conforme Margarida Teles, o curso acontecerá de hoje até o dia 25 de outubro. Ao todo serão ministradas 100 aulas presenciais para as duas turmas compostas de 20 instrutores surdos da comunidade e 20 professores das redes estadual e municipal de educação. “O programa do curso prevê também um estágio supervisionado de 20 horas”, disse, ao acrescentar que após o evento os instrutores e professores irão divulgar a Libras através de seminários e mini-cursos, a fim de repassar os conhecimentos adquiridos.
A técnica da Semed revelou ainda que o objetivo do curso é instrumentalizar professores das redes estadual e municipal e instrutores surdos em Libras, para que eles possam ser futuramente contratados pelo Estado e Município para a mediação da educação do surdo na escola. “O instrutor surdo irá trabalhar como apoio para outros surdos que não conhecem a língua”, comentou.
O evento conta com a assessoria do instrutor da Feneis, Paulo André Martins de Bulhões e da professora Verônica dos Reis Mariano Souza, mestre em Educação da Universidade Federal de Sergipe (UFS), além de duas instrutoras surdas, Alexsandra de Aragão Pinheiro e Liana Maynard Silva, e das professoras Margarida Maria Teles e Alda Valéria Santos Melo.
Durante o curso será trabalhado o vocabulário da Língua de Sinais, abordando temáticas como: Saudação e Apresentação, Quando? Onde? Profissões, Família, Compras e Viagens, entre outros assuntos do cotidiano dos surdos. “Todo o material utilizado no curso veio de Brasília e contém uma pasta com três livros e duas fitas”, disse Margarida Teles, ao revelar que os livros são em língua portuguesa e as fitas traduzidas em Língua de Sinais.
Ao finalizar, a técnica informou que este é o primeiro curso realizado dentro da programação do MEC, mas que a Semed sempre realiza cursos de Libras nas unidades da rede em Aracaju.
Para a diretora de Ensino da Semed, o curso de Libras é de extrema importância do ponto de vista político e pedagógico, porque a difusão da língua de sinais é fruto de uma luta histórica dos profissionais engajados da área de educação especial, que construíram o movimento para pressionar o poder público no sentido de que ele possibilitasse a criação destes espaços de formação tão necessários para tornar a Libras uma língua de fato. “A partir da realização de eventos desta natureza é que a sociedade se conscientizará de que a Libras é uma língua importante para que um grupo de pessoas da sociedade possa se comunicar e desenvolver o seu potencial intelectual na escola, no mercado de trabalho e nos demais espaços da sociedade”, afirmou.

Metodologia
O instrutor da Feneis, Paulo André Martins de Bulhões, disse que veio a Sergipe para ensinar aos participantes do curso a metodologia, preparando-os de forma que eles possam atuar como multiplicadores. Segundo ele, depois de preparados os instrutores surdos estarão aptos a ensinar os professores e a comunidade em geral.
Para Paulo de Bulhões, o curso de Libras é um acontecimento muito importante porque difunde uma língua que é própria dos surdos e ajuda na comunicação. “Como o português é fundamental para o brasileiro se comunicar, o inglês para o americano, o surdo também precisa da Libras para a sua comunicação”, concluiu.[/vc_column_text][/vc_column] [vc_column width=”1/3″][vc_column_text]

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Comentários desabilitados