CONHEÇA NOSSA LOJA!
Entrevista: médico da SES alerta para os cuidados com o tétano

[vc_row][vc_column width=”2/3″][vc_column_text]

O médico infectologista da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Marco Aurélio Góes, fala sobre o tétano. Ele também explica como devem ser os cuidados e as medidas a serem adotadas quando a pessoa se corta. O corte é a principal forma de infecção. 

Os índices de infecção por tétano em Sergipe são baixos, porém é uma doença de alta letalidade. Por isso, a importância de identificar e tratar a doença. A identificação pode ser feita em qualquer unidade de saúde, porém o tratamento deve ser feito em unidade hospitalar.

Ascom SES – O que é o tétano? Como se contrai a doença?

Dr. Marco Aurélio – O tétano é uma doença infecciosa e não contagiosa. Ela não passa de uma pessoa para outra. É causada por substâncias, toxinas, produzida pela bactéria Clostidium tetani, o bacilo do tétano que provoca alterações no sistema nervoso. O bacilo do tétano é encontrado na natureza (fezes, terra, galhos, poeira das ruas, etc) e a sua transmissão ocorre quando ele entra em contato com a pele com ferimentos. Desta forma, ele começa a produzir as toxinas.

Ascom SES – Quais são os sintomas e consequências da doença?

Dr. Marco Aurélio – A principal manifestação clínica da doença é a hipertonia dos músculos, havendo contrações que podem ser desencadeadas espontaneamente ou com estímulos de barulho, claridade, toque, etc.

Ascom SES – Como é feito o tratamento? Ele é disponibilizado em quais unidades de saúde?

Dr. Marco Aurélio – O reconhecimento de um caso suspeito de tétano pode ser feito em qualquer unidade de saúde, mas o seu tratamento só deve ser feito em Unidade Hospitalar que possua leitos de retaguarda de UTI, pois muitas vezes os pacientes necessitam de respiração com ajuda de aparelhos.O tratamento é baseado na sedação do paciente, uso de soro para neutralizar a toxina tetânica, antibiótico e limpeza da lesão da pele por onde penetrou o bacilo, além das medidas de suporte.

Ascom SES – Onde são disponibilizadas as vacinas contra o tétano? Quem pode tomar?

Dr. Marco Aurélio – A vacina para o tétano está disponível em todas as unidades básicas de saúde do Estado para crianças, adolescentes, adultos e idosos.  Recomendam-se três doses e um reforço a cada dez anos. Adolescentes e adultos que não têm comprovação da vacinação anterior devem receber o esquema com três doses, e depois reforço a cada dez anos. Mesmo vacinado, em caso de ferimentos graves, se a dose de reforço tiver mais de cinco anos ela deve ser antecipada.

Ascom SES –  No período de festas, principalmente as realizadas em praias, existe um risco maior da pessoa se cortar em latinhas de cerveja, por exemplo. O que a pessoa deve fazer se isso acontecer?

Dr. Marco Aurélio – Em caso de acidentes, deve-se, além de fazer a limpeza do local, verificar o estado vacinal da pessoa. Se a pessoa não é vacinada, ou não sabe se é, deve ser iniciado imediatamente o esquema de vacinação antitetânica.

Ascom SES – Existe risco da mulher grávida transmitir tétano para o bebê? Como isso acontece?

Dr. Marco Aurélio – Sim, existe o risco, principalmente quando a mulher não é vacinada e mesmo com a vacinação em dia para o tétano, mas se recebeu sua última dose há mais de cinco anos, deve receber uma dose da vacina.

Ascom SES – Qual são os números das pessoas com tétano  em Sergipe?

Dr. Marco Aurélio – Nos últimos seis anos foram diagnosticados 31 casos de tétano acidental e nenhum neonatal em Sergipe.

Ascom SES – Existe risco de morte ou sequelas para as pessoas que tiveram tétano?

Dr. Marco Aurélio –
  Sim, o tétano é uma doença grave e possui alto risco de levar ao óbito, que no Brasil é acima de 30%.

[/vc_column_text][/vc_column] [vc_column width=”1/3″][vc_column_text] [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Comentários desabilitados